O que é Bitcoin?

Bitcoin é uma moeda, assim como o real ou o dólar, mas é diferente dos exemplos citados. Assim como as outras criptomoedas, a primeira diferença é que elas não existem fisicamente, sendo totalmente virtual.

 

No processo de “mineração” de um Bitcoin, computadores conectados à internet competem entre si na resolução de problemas matemáticos. Quem ganha, recebe um bloco da moeda, por exemplo. O nível de dificuldade dos desafios é ajustado pela rede, para que a moeda cresça dentro de uma faixa limitada, que é de até 21 milhões de unidades até o ano de 2140. Esse limite foi estabelecido em 2008 pelo criador do Bitcoin (BTC). Um desenvolvedor desconhecido que se identifica como Satoshi Nakamoto, não tendo até hoje comprovado sua identidade.

 

O Bitcoin tem sua transação efetuada em tempo real de qualquer lugar do mundo, sendo um código aberto. Apesar disso, todas as transações são criptografadas e armazenadas na rede peer-to-peer (Peer-to-peer é uma arquitetura de redes de computadores onde cada um dos pontos ou nós da rede funciona tanto como cliente quanto como servidor, permitindo compartilhamentos de serviços e dados sem a necessidade de um servidor central).

 

Para que serve o Bitcoin?

O Bitcoin, assim como as outras criptomoedas, pode ser utilizado para realizar pagamentos de bens e serviços ou para receber por eles. Há grandes empresas que já aceitam Bitcoin (Dell, Expedia e Microsoft), além de milhares de lojas virtuais e estabelecimentos físicos espalhados pelo mundo.

 

Em geral, ainda não é algo disseminado no mundo inteiro. No Brasil, são poucos os estabelecidos que aceitam esse tipo de transação. Entretanto, o crescimento e valorização das criptomoedas está sendo percebido pelos mercados do país, aumentando o tamanho de estabelecimentos que passaram a aceitar as moedas virtuais.

 

Qual é o limite do Bitcoin?

O Bitcoin teve como previsão inicial a emissão de 21 milhões de unidades. Até 2017, já foram gerados, devido ao trabalho de mineração, cerca de mais de 16 milhões de Bitcoins. À medida que a rede vai ficando maior e as transações mais complexas de serem completamente validadas, emitir também fica mais raro. Atualmente, são emitidos uma média de 1,8 mil Bitcoins por dia. O sistema prevê que o número diminua pela metade a cada quatro anos. A previsão é que todos os 21 milhões de Bitcoins sejam emitidos até 2033.

 

Quando esse momento chegar, não será mais possível receber Bitcoins como recompensa pela mineração. Em resumo, o objetivo é a criação de uma moeda que não seja inflacionária (que perca o seu valor ao longo do tempo) por natureza, como as moedas tradicionais.

 

Onde comprar e vender Bitcoin?

A compra e venda de Bitcoin, assim como de outras criptomoedas, é realizada por exchanges, plataformas especializadas em segurança e criptografia de dados. No Brasil, a MUREXCHANGE® é uma das principais plataformas do mercado, onde a transação é feita de um jeito simples, com as ofertas e taxa zero para manutenção de contas e depósitos.

 

Quer comprar Bitcoins e outras criptomoedas com segurança? Conheça a MUREXCHANGE®

 

Fontes: Exame e Época Negócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *